Free Essay

Manual de Supervisão

In: Science

Submitted By mariadaluzvaz
Words 6152
Pages 25
MANUAL DE SUPERVISÃO

por Phil Bartle, PhD

traduzido por Eduardo Félix

ISBN: 92-1-131401-6 – UN: HS/545/98

" Não basta que a justiça seja feita,
Pois não há justiça
Até que se veja que há justiça."

Anónimo

Prefácio:
Este manual é o resultado de seis anos de mobilização e formação em gestão de comunidades no âmbito do Programa de Gestão de Comunidades do Uganda, realizado por HABITAT - ONU (Habitat) e implementado pela Direcção de Desenvolvimento de Comunidades do Governo do Uganda. Foi projectado, porém, para ser aplicável noutros países, pelo que as situações específicas do Uganda não são enfatizadas, e o estilo de escrita mantêm-se tão simples quanto possível para facilitar a sua tradução para linguagens e dialectos locais de todo o mundo.
Muitas lições foram aprendidas ao longo dos anos, umas através de sucessos, outras de fracassos. No processo, constatámos o potencial e a enorme elasticidade das comunidades. O que concluímos foi que todas as comunidades, não importa quão pobres sejam, têm recursos (muitos que ainda necessitam de ser identificados) que podem ser estimulados, para que estas, e todas as do Uganda, se possam desenvolver. Para estimular estes numerosos recursos nacionais, a mobilização e a formação em gestão tornam-se necessários.
Ao longo do processo, todos os intervenientes devem estar a par do decorrer da intervenção (mobilização e formação em gestão). Estes intervenientes compreendem membros da comunidade, líderes, mobilizadores de campos, coordenadores, gestores, administradores, planeadores a nível local, distrital e central. Este manual, dirigido principalmente aos trabalhadores no campo (e recomendado a todos os outros envolvidos) fornece alguma orientação, conselho, dicas e recomendações para criar um sistema de supervisão necessária, bem como para dar a conhecer a todos o seu decorrer.

Phil Bartle, Conselheiro Técnico Principal
Laban Mbulamuko, Coordenador Nacional
Programa de Gestão de Comunidades do Uganda
1992-1998

Introdução:
Este manual, que constitui companheiro para "Manual para Mobilizadores," e "Manual de Geração de Riqueza," centra-se na supervisão e avaliação de aspectos de fortalecimento da comunidade. Como complemento aos outros dois manuais, este fornece mais detalhes sobre o objectivo e métodos de supervisão, do nível da comunidade ao nível nacional.
Embora estes três manuais se destinem principalmente a trabalhadores de campo na comunidade, recomendamos que também sejam lidos por planeadores, administradores e gestores ligados à capacitação de comunidades de baixos rendimentos. Como os outros dois, este é um livro de "como-fazer". Há um mínimo de descrição, teoria e história; Centra-se em princípios, métodos e capacidades.
1. Princípios de supervisão
Este capítulo explica o que é a supervisão e qual é o seu objectivo.
1.1 O que é a supervisão?
A supervisão é a observação constante e o registo de actividades ligadas a um projecto ou programa. É um processo rotineiro de recolha de informações relativas a todos os aspectos do projecto.
Supervisionar é verificar o progresso das actividades do projecto. É observação; - Observação sistemática e objectiva.
Supervisionar implica também relatar o progresso do projecto aos contribuidores, implementadores e beneficiários do projecto.
Esta comunicação permite que a informação recolhida seja utilizada na tomada de decisões para melhorar o desempenho do projecto.
1.2 Objectivo da supervisão
A supervisão é muito importante no planeamento de projectos e sua implementação.
É como ver para onde vai enquanto anda de bicicleta; Pode ajustar-se enquanto anda e certificar-se de que está no caminho certo.
Supervisionar fornece informação que será útil nas seguintes situações: ▪ Análise da situação da comunidade e do seu projecto; ▪ Avaliação da utilização dos recursos afectos ao projecto: ▪ Identificação de problemas inerentes à comunidade ou ao projecto e determinação de soluções; ▪ Certificação de que todas as actividades são realizadas adequadamente, no tempo e pelas pessoas certas; ▪ Tirar conclusões da experiência de um projecto e usá-las noutro; e ▪ Determinar se o plano do projecto era o mais apropriado para resolver o problema em questão.
2. Supervisionar, planear e implementar:
Um projecto é uma série de actividades (investimentos) que procuram resolver certos problemas num determinado espaço e período de tempo. Estes investimentos implicam tempo, dinheiro, recursos humanos e materiais. Antes de atingir os objectivos, um projecto passa por diversas etapas. A supervisão deve ter lugar e ser integrada em todas elas.
As três etapas básicas consistem em:: ▪ Planeamento do projecto (análise de situações, identificação de problemas, definição dos objectivos, formulação de estratégias, estabelecimento de um plano de trabalho, e financiamento); ▪ Implementação do projecto (mobilização, utilização e controlo dos recursos e decurso do projecto); e ▪ Avaliação do projecto.
A supervisão deve ser executada por todos os indivíduos e instituições que têm interesse (intervenientes) no projecto. Para o implementar com eficiência, as pessoas que o planeiam e implementam devem planear todas as etapas interligadas desde o seu início.
No "Manual para Mobilizadores", dissemos que as questões essenciais de planeamento e gestão são: (1) O que queremos? (2) O que temos? (3) Como usamos o que temos para obter o que queremos? e (4) O que acontecerá quando o conseguirmos? Estas podem ser alteradas, utilizando "onde", em vez de "o quê", mantendo-se os mesmos princípios.
As questões passam a:

Onde estamos? Onde queremos ir? Como lá chegamos? e O que acontece quando lá chegarmos?
2.1 Análise de situações e definição de problemas:
Corresponde à questão, "Onde estamos?" (O que temos?).
A análise de situações é um processo no qual as características gerais e os problemas da comunidade são identificados. Envolve identificar e definir as características e problemas específicos de determinadas categorias de pessoas na comunidade. Estas categorias podem consistir em pessoas com deficiências, jovens, camponeses, comerciantes e artesãos.
A análise de situações realiza-se através da recolha de informação necessária para entender a comunidade enquanto um todo e os indivíduos dentro da comunidade. Desta informação deve constar o que aconteceu no passado, o que está agora a acontecer e o que se espera que aconteça no futuro, baseado nas experiências da comunidade.
A informação necessária para entender a comunidade inclui, entre outros: ▪ As características da população (por ex. sexo, idade, grupo, religião e tamanho da família); ▪ Estruturas político-administrativas (por ex. comités comunitários e conselhos locais) ▪ Actividades económicas (inclusive agricultura, comércio e pesca); ▪ Tradições culturais (por ex. sucessões e o sistema de clãs), transições (por ex. casamentos e ritos fúnebres), e ritos de passagem (por ex. circuncisão); ▪ Projectos a decorrer como os municipais, distritais, estaduais, de Organizações Não-Governamentais (ONGs), e de Organizações Comunitárias (OCs); ▪ Infraestruturas sócio-económicas ou instalações comunitárias, (por ex. escolas, unidades de saúde, e estradas de acesso); e ▪ Organizações comunitárias (por ex. instituições de poupança e crédito, de mulheres, de entre-ajuda, de serviços funerários), as suas funções e actividades.
A informação necessária à análise de situações e definição de problemas deve ser recolhida com o apoio dos membros da comunidade, mediante diversas técnicas. Isto garante que a informação sobre a comunidade e os seus problemas é válida, credível e perceptível.
Podem ser usadas algumas das seguintes técnicas: ▪ Revisão de documentos; ▪ Inspecções; ▪ Discussões com indivíduos, grupos específicos, e com a comunidade no conjunto. ▪ Entrevistas; ▪ Observações; ▪ Audições de pessoas; ▪ Discussão de ideias em grupo; ▪ Diálogos informais; ▪ Realização de um inventário dos recursos, serviços e oportunidades sociais da comunidade; ▪ Voltas de reconhecimento, mapas; e ▪ Diagrama de problemas.
A análise de situações é muito importante antes de qualquer tentativa de resolver problemas, visto que: ▪ Providencia uma oportunidade de entender a dinâmica da comunidade; ▪ Ajuda a clarificar as condições sociais, económicas, culturais e políticas; ▪ Providencia uma oportunidade inicial para a participação das pessoas em todas as actividades delineadas no projecto; ▪ Possibilita a definição de problemas da comunidade e suas soluções; e ▪ Oferece informação necessária para definir, planear e implementar objectivos.
A análise de situações deve ser contínua, de modo a fornecer mais informação durante a implementação do projecto, supervisão e re-planeamento. Esta análise e a identificação de problemas devem ser supervisionadas, para garantir informação correcta e actualizada sobre a comunidade e os seus problemas.
Já que a supervisão deve ser integrada em todas as etapas do processo, vamos agora focar-nos em cada uma delas e definir os seus aspectos específicos.
2.2. Definir fins e objectivos:
Definir o fim levanta a questão "Onde queremos ir?" (O que queremos?).
Antes de quaisquer tentativas de implementação, os planeadores, implementadores e beneficiários devem definir os fins e objectivos. Ver Discussão de ideias relativamente a um método participativo de o fazer.
Um fim é uma afirmação geral do que deve ser feito para solucionar um problema. Define, em sentido lato, o que se espera de um projecto. Um fim provém do problema que precisa de ser resolvido e assinala o propósito último de um projecto. Os objectivos são subcategorias do fim e devem ser específicos, de modo a se poderem atingir.
Os objectivos devem ser "SMART." Devem ser: Específicos: claros sobre qual, como, quando, e onde a situação será alterada; Contabilizáveis: devem permitir quantificar os alvos e benefícios; Realizáveis: devem permitir atingir os objectivos (conhecer os recursos e capacidades disponíveis na comunidade) Realistas: possibilitar obter o grau de mudança inerente ao objectivo; e Vinculados no tempo: definindo o período de tempo em que devem ser atingidos.
Para atingir os objectivos de um projecto, é essencial verificar os recursos disponíveis na comunidade e aqueles que se podem obter de fontes externas. Ver Revelar recursos ocultos.
Os planeadores, implementadores e membros da comunidade devem também identificar os obstáculos com que se podem deparar na execução do projecto, e como os podem superar. Com base na sua extensão e força, os implementadores podem decidir continuar com o projecto ou abandoná-lo.
Os fins e objectivos definem a base para supervisionar e avaliar um projecto. São o critério para medir o êxito ou fracasso de um projecto.
Geração de estruturas e estratégias:
Este aspecto corresponde à terceira questão essencial, "Como lá chegamos?" (Como usamos o que temos para obter o que queremos?).
Os planeadores e implementadores (as comunidades e os seus mediadores) devem decidir como vão executar o projecto, qual a estratégia. Definir a estratégia implica determinar todos os elementos (entradas) necessários para levar a cabo o projecto, definindo os diferentes grupos ou indivíduos e os papéis específicos que lhe cabem de acordo com o projecto. Estes grupos e indivíduos denominam-se de "actores".
Assim, a criação de estruturas e estratégias implica: ▪ Discutir e acordar as actividades que devem ser executadas durante a implementação; ▪ Definir os diferentes actores dentro e fora da comunidade, bem como os seus papéis; e ▪ Definir e distribuir custos e materiais necessários à execução do projecto.
Após a tomada de decisões adequadas, o comité executivo deve discutir e acordar com todos os actores a forma de implementar o projecto, o que se chama de plano de trabalho. (Como conseguimos o que queremos?). Um plano de trabalho é uma descrição das actividades necessárias a ocorrer nas etapas, com indicação precisa da data.
Para definir um bom plano de trabalho, os implementadores devem: ▪ Listar todas as tarefas necessárias à implementação do projecto; ▪ Ordenar as tarefas de acordo com a sua ordem de execução; ▪ Apresentar a afectação de responsabilidades aos actores; e ▪ Indicar a data de execução de cada actividade.
O plano de trabalho consiste num guia para a implementação do projecto e numa base para a sua supervisão. Deste modo, ajuda a: ▪ Acabar o projecto no prazo previsto; ▪ Fazer as coisas certas na ordem correcta; ▪ Identificar os responsáveis por determinada actividade; e ▪ Determinar a data inicial de execução do projecto.
Os implementadores e planeadores devem acordar os indicadores da supervisão. Estes são (regra geral) sinais qualitativos e quantitativos para medir e verificar o sucesso das actividades do projecto e seus objectivos. Os indicadores revelam a extensão do sucesso obtido relativamente aos objectivos de cada actividade. Os indicadores de supervisão devem ser explícitos, pertinentes e verificáveis objectivamente.
Os indicadores de supervisão dividem-se em quatro categorias, nomeadamente; ▪ Indicadores de entrada: Descrevem as entradas no projecto (por ex. o número de tijolos trazidos para o local e o total de dinheiro gasto) ▪ Indicadores de produção: descrevem a actividade do projecto (por ex. o número de salas de aula construídas) ▪ Indicadores de resultado: descrevem o efeito da actividade (por ex. o número de alunos na escola); e ▪ Indicadores de impacto: revelam a mudança nas condições da comunidade (por ex. a redução do analfabetismo na comunidade).
Anotar as estruturas e estratégias ajuda na supervisão do projecto, já que especifica o que será feito na sua implementação. O planeamento deve indicar o que deve ser supervisionado, quem deve exercer a supervisão e como este controlo deve ser realizado.
2.4. Implementação:
Supervisionar a implementação corresponde à quarta questão essencial "O que acontece quando o conseguirmos?"
A implementação é a etapa onde todas as actividades planeadas são postas em prática. Antes da execução do projecto, os seus implementadores (liderados pelo comité ou executivo do projecto) devem identificar os seus pontos fortes e fracos (forças internas), oportunidades e ameaças (forças externas).
Os pontos fortes e oportunidades são forças positivas que devem ser exploradas para implementar o projecto com eficiência. Os pontos fracos e ameaças são inconvenientes que podem pôr em causa a implementação do projecto. Os implementadores devem assegurar-se que possuem meios suficientes para os superar.
Supervisionar é importante nesta fase de implementação de modo a assegurar que a execução do projecto decorre conforme planeado. Trata-se de um processo contínuo que deve ser organizado antes do início da implementação do projecto.
Como tal, as actividades de supervisão devem surgir no plano de trabalho e envolver todos os intervenientes. Se não estiverem a decorrer como planeado, devem ser feitas observações e alterações para identificar e resolver o problema.
A supervisão também é importante para assegurar que todas as actividades são executadas como planeado. É uma ajuda para os implementadores medirem o sucesso dos objectivos. Baseia-se na noção de que o processo pelo qual o projecto é implementado é muito importante no seu uso, aproveitamento e manutenção.
Por conseguinte, se a implementação do projecto em marcha não está a ser satisfatória, os implementadores têm que perguntar a si próprios "Que tal estamos a avançar?" (O que acontece quando lá chegarmos?).
2.5. Sumário da relação:
O anterior demonstra a relação próxima entre supervisão, planeamento e implementação.
Demonstra que: ▪ Planear indica as formas pelas quais a implementação e a supervisão devem ser executadas; ▪ A implementação e a supervisão são conduzidas pelo plano de trabalho definido no projecto; e ▪ Supervisionar proporciona informação para o planeamento e implementação do projecto.
Existe uma relação estreita entre planeamento, implementação e supervisão em que se reforçam (apoiam) umas ás outras. Nenhuma pode ser levada a cabo sem as outras duas, e quando uma é realizada, os planeadores e implementadores têm de ter em consideração as outras.
3. Avaliação:
Avaliar é um processo em que se determinam os benefícios que um projecto ou programa obteve, particularmente em relação às actividades planeadas e fins gerais. Implica julgar o seu valor e, assim, é diferente da supervisão (que se trata da observação e comunicação de observações).
3.2. Propósito da avaliação:
A avaliação é importante para identificar os obstáculos e impedimentos ao sucesso do projecto. As soluções destes podem, a partir da avaliação, ser identificadas e executadas.
A avaliar permite também aos planeadores do projecto e seus implementadores verificar os benefícios e custos que acarreta para os beneficiários directos e indirectos do projecto. Se o projecto executado é, por exemplo, a protecção de uma fonte, a avaliação destaca os benefícios para as pessoas que usufruem da sua água e os malefícios para os possuidores de terrenos e plantações danificados durante a recolha de água.
Avaliar é essencial para retirar conclusões da experiência de implementação de um projecto e para as aplicar futuramente no planeamento de novos projectos na mesma comunidade ou noutras.
Por fim, a avaliação deve proporcionar uma visão clara da medida do sucesso atingido, relativamente aos objectivos propostos para as actividades.
3.3. O processo de avaliação:
A avaliação pode e deve ser feita: (a) antes, (b) durante e (c) após a implementação.
Antes da execução do projecto, a avaliação é necessária de modo a: ▪ Representar as possíveis consequências dos projectos planeados para as pessoas da comunidade após determinado período de tempo; ▪ Tomar uma decisão final sobre que alternativa do projecto deve ser implementada; e ▪ Auxiliar na tomada de decisões relativas à forma de implementação do projecto.
Durante a execução do projecto: A avaliação deve ser um processo contínuo e deve ter lugar em todas as actividades de implementação do projecto. Isto permite aos planeadores e implementadores do projecto rever progressivamente as estratégias definidas, de acordo com as alterações circunstanciais, de modo a atingir as actividades e objectivos desejados.
Após a execução do projecto: Serve para redefinir o planeamento do processo e sua implementação, bem como os resultados decorrentes desta. No futuro, ajudará a: ▪ Identificar impedimentos e obstáculos inerentes à fase de implementação; ▪ Verificar os benefícios actuais e o número de pessoas beneficiadas; ▪ Fornecer ideias relativas à força do projecto, para a sua reprodução; e ▪ Fornecer uma visão clara da medida em que os objectivos traçados no projecto foram cumpridos.
4. Informação para a gestão
Informação para a gestão e a gestão de informação são diferentes; a informação para a gestão consiste num tipo de informação (os dados); Gestão de informação é um tipo de gestão (o sistema).
Gestão de informação é um processo de análise e utilização de informação que foi recolhida e arquivada de forma a permitir aos gestores (em todos os níveis) tomar decisões com conhecimento de causa. Informação para a gestão é a informação necessária à tomada de decisões executivas.
A supervisão proporciona informação sobre o decorrer do projecto. Esta informação é recolhida durante as fases de planeamento e implementação. A informação ajuda a detectar se alguma coisa não está a correr bem no projecto. A gestão pode, consequentemente, encontrar soluções para garantir o sucesso.
4.1. A importância da informação para a gestão:
A informação para a gestão é importante para: ▪ Tomar decisões necessárias para melhorar a gestão de instalações e serviços; e ▪ Levar a cabo o planeamento, implementação, supervisão e avaliação participativas.
4.2. Como usar a informação para a gestão:
Para se poder usar a informação em ordem a tomar decisões administrativas, a informação deve ser gerida (recolhida, arquivada e analisada). Ainda que a gestão de informação (o processo de recolher e arquivar dados) e a informação para a gestão (os dados necessários para tomar decisões informadas) sejam diferentes, elas apoiam-se mutuamente e não podem ser separadas nas operações rotineiras.
Informação para a gestão, portanto, implica: ▪ Determinar a informação necessária; ▪ Recolher e analisar informação; ▪ Arquivar e recuperá-la quando necessário; ▪ Utilizá-la; e ▪ Disseminá-la.
Determinar a informação necessária à gestão: Durante o planeamento, gestão e supervisão do projecto, numerosa informação é gerada. Alguma é necessária para a tomada de decisões administrativas no local; outra para decisões administrativas posteriores. Um bom sistema de gestão de informação deve, por isso, auxiliar os gestores do projecto a determinar a informação que necessitam de captar, para diferentes decisões em alturas diferentes.
Recolher e analisar informações para a gestão de informação: A informação pode ser obtida dos relatórios de técnicos, de livros da comunidade, de impressos preenchidos pelos diferentes actores, por reuniões da comunidade, entrevistas, pela observação e por mapas da comunidade.
Arquivar informação: O arquivo de informação é importante para referências futuras. A informação pode ser guardada no livro da comunidade, em relatórios do projecto, em formulários ou ainda mentalmente. O princípio fundamental no arquivo de informação é a facilidade com que esta se pode recuperar posteriormente.
Utilizar informação: A informação pode ser usada para resolver problemas da comunidade, para determinar recursos (quantidade e natureza), para solicitar o seu auxílio e para a concretização de projectos futuros.
Disseminação ou fluxo de informação: Para o uso adequado da informação, ela deve ser partilhada com os outros intervenientes ou utilizadores. Os outros intervenientes podem usar esta informação para as suas decisões administrativas e podem também auxiliar o primeiro, dando significado e experiência aos propósitos da sua gestão.
A informação deve ser partilhada com a comunidade, conselho, província, distrito, executivo nacional, ONGs e com os demais contribuidores.
A informação para a gestão é uma parte da supervisão visto que é obtida durante a supervisão e ajuda ao planeamento e implementação das actividades de supervisão.
Seja de pessoal ou de outros intervenientes, uma das maneiras mais eficazes de obter informação é a partir da revisão anual. Ainda que esteja enquadrada no seu papel de obter informação para a gestão participativa, é igualmente aplicável na obtenção de informação de supervisão.
5. Participação na supervisão do projecto:
A supervisão é um papel de gestão e implementação vital, que não pode ser deixada exclusivamente ao cargo de um interveniente. Os indivíduos e instituições com interesse no projecto, em todos os níveis, devem participar na supervisão.
5.1. Vantagens da participação:
As vantagens da participação na supervisão incluem: (a) compreensão colectiva, (b) melhoria da contabilidade, (c) melhores decisões, (d) melhorias de desempenho, (e) melhorias no desenho e (f) mais informação.
Compreensão colectiva dos problemas e identificação de soluções: A supervisão participativa ajuda os intervenientes a obterem um entendimento partilhado dos problemas que enfrenta a comunidade ou o projecto (as suas causas, dimensão, efeitos e implicações).
Isto facilita a identificação de soluções. Estas decorrem de uma situação actual, o que faz com que seja mais provável que sejam adequadas.
Beneficia os grupos-alvo e melhora a contabilidade: A participação na supervisão contribui para que as pessoas para as quais o projecto foi traçado sejam as que beneficiam dele.
Aumenta a consciência das pessoas sobre os seus direitos, o que impulsiona a sua participação na vigilância de eventuais apropriações inadequadas de recursos do projecto. Esta vigilância torna a execução do projecto menos cara.
Tomar decisões adequadas: Supervisionar fornece informação necessária à tomada de decisões de gestão
Quando muitas pessoas participam na supervisão, muita gente proporciona informação e contribui para facilitar a tomada de decisões. As decisões daqui resultantes são mais prováveis de estar correctas e de serem relevantes para a maioria da população. Assim, a mobilização de capital humano e de recursos para a implementação do projecto é facilitada.
Melhoria no desempenho durante a supervisão, se um desvio no desempenho for descoberto, podem ser descortinadas soluções. Para determinar decisões adequadas que possam ser executadas, é necessária a participação das pessoas que vão por a solução em prática.
Por conseguinte, a participação na supervisão pode ajudar a melhorar o desempenho do projecto.
Desenho dos projectos: A informação gerada durante a supervisão do projecto ajuda a re-desenhar projectos dessa localidade para os tornar mais aceitáveis.
As conclusões tiradas podem também ser utilizadas no desenho de projectos semelhantes noutros sítios.
Recolha de informação: Se muita gente participar na supervisão, a probabilidade de a informação ser válida e precisa é superior. O fundamento disto é que a informação que é omitida por uma parte, pode ser transmitira por outra.
Cada interveniente foca diferentes aspectos do projecto usando diferentes métodos. Em alternativa, quando uma pessoa sabe que a informação que está a recolher será verificada, evita entregar dados incorrectos.
5.2. Desafios da participação na supervisão:
A participação na supervisão oferece diversas vantagens, embora também enfrente certos desafios. Estes incluem (a) elevados custos, (b) variações na informação e (c) imprecisões.
Elevados custos iniciais: A participação na supervisão implica diversos recursos (por exemplo, tempo, transporte e questões relacionadas com subsídios). É um processo exigente que pode esticar em demasia o espírito dos voluntários no nível local e os recursos financeiros no nível distrital e nacional. Assim, deve ser simples, e centrar-se em elementos fundamentais.
Quantidade e variedade de informação: Supervisionar implica recolher, documentar e partilhar um grande número de informações. Isto requer diversas capacidades em falta nas comunidades. Precisa, consequentemente, de muito tempo e recursos para desenvolver capacidades. A comunicação de dados incorrectos é também um risco.
Imprecisão da informação: Alguns intervenientes, do nível comunitário ao nacional, podem, intencionalmente, fornecer informações erradas que representam um melhor desempenho ou melhores resultados, ou devido a diferenças de comunidades ou de projectos. Para evitar isto, é necessária uma sensibilização e uma construção de consenso que são difíceis de obter.
As vantagens da participação da supervisão são, evidentemente, mais que os desafios. É, por isso, necessário encorajar e apoiar este tipo de supervisão enquanto se encontram meios para contrariar os desafios.
6. Níveis de supervisão:
A supervisão deve ser efectuada por todos os intervenientes em todos os níveis. Contudo, cada nível possui objectivos específicos de supervisão, métodos e, como tal, papéis.
Para que a supervisão seja eficaz, é necessário um mecanismo de recolha de reacções de todas as pessoas de todos os níveis (comunitário, distrital, nacional e de contribuidores).
6.1. Supervisão no nível comunitário:
O nível da comunidade é onde a implementação e a utilização dos benefícios do projecto se materializam. Na maioria dos casos, uma povoação ou concelho. Neste nível, o propósito fundamental da supervisão é melhorar a implementação e gestão dos projectos. O interesse da comunidade como um todo em supervisionar a construção de escolas, por exemplo, é assegurar que a construção das escolas (e saídas) estão a ser efectuadas conforme planeado.
Os objectivos específicos da supervisão a este nível incluem, assim (a) assegurar que os projectos são executados no prazo previsto, (b) que são de boa qualidade e (c) que as entradas do projecto são bem utilizadas.
A supervisão neste nível implica: Identificar um projecto comunitário. Tal deve ser identificado de uma forma participativa de modo a reflectir as necessidades da comunidade e estimular o interesse das pessoas na sua execução e controlo.
Se o processo de identificação do projecto não for bem conseguido e não reflectir os interesses da comunidade, é provável que as comunidades não participem na supervisão das actividades de implementação.
Identificar as equipas responsáveis pela supervisão do projecto da comunidade. As funções atribuídas a cada equipa, como devem levar a cabo o processo de controlo, o uso e partilha de informação gerada com outros grupos, dentro e fora da comunidade, devem ser especificados e explicados;
Desenhar um plano de trabalho que conduza a supervisão do projecto. Este plano de trabalho deve especificar as actividades na ordem em que devem ser executadas e os indivíduos que o devem fazer. Isto ajuda os supervisores a saber as actividades que devem ser efectuadas por certos indivíduos em certos períodos de tempo. Se as actividades não forem realizadas, os supervisores ajudam a reconduzir o processo e a encontrar soluções;
Determinar as actividades principais a partir do plano de trabalho. Considerando que todas as actividades no plano de trabalho são úteis e devem ser supervisionadas, é útil também identificar as principais, de acordo com os objectivos e indicadores estabelecidos. Por exemplo, se as actividades preparatórias do projecto de construção de escolas incluírem mobilização comunitária, empréstimo de ferramentas de uma aldeia vizinha, escavação do solo e obtenção de água para fazer tijolos, a actividade principal que resume todas as sub-actividades poderia ser a produção de tijolos.
Determinar os indicadores para cada objectivo de uma actividade. Os indicadores ajudam a equipa que supervisiona a reportar quão longe se foi no cumprimento dos objectivos de cada actividade. No exemplo dado, um indicador seria o número de tijolos produzidos. E
Comparar o que está a acontecer com o que foi planeado deve ser feito no processo, para determinar se o projecto está dentro do prazo e conforme planeado. Os supervisores devem verificar o grau de sucesso relativo aos objectivos com base nos indicadores. Tal deve ser feito tendo em conta a qualidade do trabalho, para confirmar a sua boa qualidade. A equipa supervisora pode necessitar do auxílio de pessoal técnico, como um artesão local ou um técnico do distrito para certificar a qualidade do projecto (se se tratar de uma construção).
A equipa supervisora deve acordar na frequência das visitas ao local do projecto para verificar as ocorrências. Num projecto comunitário, para evitar grandes desvios ao plano de trabalho, as visitas de supervisão devem ser efectuadas pelo menos uma vez por semana. Durante as visitas ao projecto, a equipa deve observar os acontecimentos e falar com toda a gente envolvida no projecto.
Para cada actividade, a equipa supervisora deve identificar os objectivos. Por exemplo, o objectivo da produção de tijolos enquanto actividade inerente ao projecto da construção de escolas pode ser; fazer dez mil tijolos até ao fim de Fevereiro.
No decurso de uma visita de supervisão, os supervisores devem anotar as suas observações. Podem utilizar um formulário em anexo ou acordar outra forma de comunicação que reflicta o que é constatado no exercício em relação ao plano de trabalho. As observações destas visitas devem ser discutidas com outros membros do comité de execução. As equipas de controlo e implementação devem usar a informação recolhida para detectar e resolver os problemas que o projecto enfrenta.
As equipas de supervisão e implementação devem guardar adequadamente a informação e usá-la em acções futuras para informar outros intervenientes. Em cada local deve existir um arquivo em que cópias de relatórios e outros documentos relativos ao projecto são guardados.
6.2. Supervisionar nos níveis distrital e concelhio
Os oficiais de distrito e concelho devem obter informação dos supervisores comunitários (supervisionar o desempenho em relação à transformação das entradas em saídas). Devem também supervisionar o resultado do projecto (por ex. o efeito da construção de escolas ao nível de matrículas) e, ainda, supervisionar o aumento da força, capacidade e poder da comunidade-alvo para estimular o seu próprio desenvolvimento.
Os objectivos, deste modo, incluem: Apoiar as melhorias no desempenho do projecto e medir a aplicabilidade da forma estabelecida no projecto em relação ao fortalecimento da comunidade.
Os métodos de supervisão que podem ser adoptados neste nível incluem (a) supervisão de rotina e (b) apoio qualitativo.
Supervisão de rotina e apoio de supervisores: Isto implica que o Coordenador Distrital do Projecto, o Assistente de Desenvolvimento Comunitário, outro pessoal técnico e políticos distritais e concelhios visitem os locais do projecto para assegurar a conformidade do seu decurso com o que foi planeado.
Uma cópia do plano de trabalho e dos relatórios de supervisão da comunidade devem ser mantidos no arquivo do local do projecto. Isto permite ajudar quem quiser comparar o progresso com o plano de trabalho e obter comentários da equipa de supervisão sem ter de encontrar a equipa supervisora, que pode não estar prontamente disponível.
Durante supervisões de rotina, deve-se dialogar com as pessoas envolvidas na implementação e supervisão do projecto. Observe a forma como cada equipa cumpre os seus deveres (como meio de verificar o aumento da capacidade comunitária).
Faça e registe comentários acerca de bons e maus elementos do projecto. Recomende soluções, indicando quem as deve acatar, e as consequências financeiras, temporais e efeitos negativos que podem afectar o projecto se as soluções não forem aplicadas. Deve-se deixar uma cópia no arquivo ou livro do local de trabalho e outra arquivada e analisada no distrito.
Os municípios e distritos devem organizar discussões sobre o progresso do projecto pelo menos uma vez por mês. Devem também elaborar e enviar um relatório sobre o progresso, como parte da comunicação mensal aos responsáveis distritais e nacionais, respectivamente.
Os pontos principais a analisar durante as supervisões de rotina distrital e municipal incluem: ▪ As quantidades reais das contribuições comunitárias, municipais, distritais e dos contribuidores (incluindo fundos, materiais, tempo e ajuda técnica); ▪ A implementação pertinente e qualidade dos projectos; ▪ Uso e contabilidade apropriada dos recursos da comunidade e contribuidores; ▪ O nível de envolvimento comunitário no projecto; ▪ A entrega e desempenho dos comités comunitários; e ▪ O uso pertinente de informação gerada pelas supervisões rotineiras da comunidade.
Exame qualitativo: O distrito, em articulação com o município, deve organizar debates específicos em grupo, conversações com os informadores principais, e discussões comunitárias de grupo, com as comunidades e outros informadores-chave pelo menos duas vezes por ano.
Estes exames ajudariam o distrito a: ▪ Confirmar parte da informação recolhida pela comunidade e distrito; ▪ Obter informação sobre questões que não foram observadas durante a supervisão rotineira; ▪ Debater no local com as comunidades as possíveis soluções para problemas prejudicadores ao desenrolar do projecto; e ▪ Dialogar com a comunidade, aprender com ela, explicar questões relativas à capacidade de construção.
Estes inquéritos qualitativos devem ser simples e abarcar os membros da comunidade para reduzir os custos e permitir a estes aprender a efectuá-los, como meio de fortalecimento da comunidade. As saídas devem ser analisadas em relação à comunidade e aos descobrimentos rotineiros do distrito e devem também ser usadas para debater soluções.
As conclusões devem ser documentadas e transmitidas a nível nacional, de modo a ajudar a gestão de informação a nível nacional.
Os principais pontos durante os inquéritos qualitativos incluem: ▪ Estabelecer se os projectos corresponderam às prioridades comunitárias (e a adequação da identificação do projecto); ▪ O conhecimento e a apreciação do método do projecto dos membros da comunidade e a sua vontade de participar e contribuir nas actividades do projecto; ▪ A efectividade dos membros da comunidade durante a supervisão do projecto; ▪ As opiniões dos membros da comunidade relativas à qualidade e uso de recursos (contabilidade); ▪ As capacidades (por ex. de tomar decisões ou de negociação), adquiridas por categorias específicas de pessoas na comunidade durante a execução do projecto; e ▪ O conhecimento da comunidade dos seus direitos e deveres.
Previamente aos inquéritos qualitativos, cada distrito e município deve identificar e discutir quaisquer lacunas na informação da administração para elaborar temas periódicos. Desenhos específicos deviam também acordar-se nesta fase.
6.3. Supervisão ao nível nacional e dos contribuidores
Supervisionar ao nível nacional e de contribuidores significa determinar se as entradas do projecto estão a ser bem utilizadas (correspondem às saídas desejadas), se o traçado do projecto é apropriado, e acumular experiência.
Os objectivos da supervisão a este nível incluem: ▪ Assegurar que as entradas são utilizadas com eficiência e eficácia. ▪ Que as actividades planeadas estão em marcha; ▪ Para medir a aplicabilidade do método no fortalecimento de comunidades; e ▪ para retirar conclusões da intervenção projectada com vista a futuros projectos no país e no estrangeiro. Estas conclusões são a base para a reprodução do método do projecto.
Os métodos de supervisão incluem: (a) supervisão de rotina, (b) investigação das acções e estudos qualitativos e (c) inspecções.
Supervisão de rotina: O controlo rotineiro deve ser efectuado trimestralmente pelos responsáveis do projecto e gabinete de planeamento governamental, para verificar os níveis de sucesso das actividades e objectivos. Já que a nível nacional apenas se recebe informação sobre o projecto e suas actividades através dos relatórios distritais, a supervisão nacional deve ter certos limites. Deve cobrir aspectos que pareçam contraditórios, problemáticos, muito satisfatórios ou únicos. Estes permitem ao executivo nacional fornecer o apoio necessário e tirar conclusões.
Investigação de acções e estudos qualitativos: O executivo nacional deve efectuar estudos qualitativos profundos uma vez por ano. Estes devem centrar-se em obter lições do desenho do projecto e das experiências de implementação para efeitos de reprodução.
Deste modo, os pontos principais deste nível incluem: ▪ A contribuição dos projectos da comunidade no seio das prioridades nacionais e dos contribuidores; ▪ A satisfação obtida pelas comunidades (a utilização de serviços e instalações) ▪ A capacidade da comunidade de gerir e manter os serviços e instalações; ▪ A possibilidade dos membros da comunidade de pagar por estes serviços e instalações; ▪ A adequação da metodologia do projecto à luz das políticas nacionais; ▪ A liderança, autoridade e confiança dentro das comunidades; ▪ O desenvolvimento das capacidades e do funcionamento das administrações locais e distritais; ▪ A representação (especialmente do sexo feminino) no processo comunitário de tomada de decisões: ▪ Reprodução de experiências noutros projectos e instituições de formação; ▪ O fomento de capacidades individuais e de instituições; e ▪ O funcionamento da supervisão e dos sistemas de gestão de informação.
Inspecções: As inspecções devem ser levadas a cabo para recolher dados contabilizáveis e complementar a informação gerada por outros métodos. Estas podem ser atribuídas a instituições de investigação, como universidades.
6.4. Temas e procedimentos de supervisão em diversos âmbitos:
Os temas e procedimentos de supervisão são aqui descritos para cada nível. Salienta-se que todos os intervenientes devem liderar mas não realizar exclusivamente a supervisão. Na prática, os temas e procedimentos dos diversos intervenientes sobrepõem-se. Cada interveniente deve auxiliar os outros nas suas responsabilidades de controlo.
Os temas aqui mencionados não são exaustivos, mas indicam o que deve ser feito. Cada nível deve, assim, recolher informação relativa a outros temas que pareçam relevantes em situações particulares.
Os temas são apresentados em três tabelas: (1) Nível comunitário, (2) Nível distrital, (3) Nível nacional, indicando os temas essenciais em cada nível.
6.5. Nível comunitário:
Neste nível, os três principais actores que intervêm no fortalecimento da comunidade são: ▪ O OBC, comité executivo ou implementador (CIC) do projecto comunitário; ▪ Os mobilizadores comunitários; e ▪ O Comité de Desenvolvimento de Freguesia (CDC).
A tabela seguinte contempla os diferentes pontos de interesse, indicadores de supervisão, meios de observação, frequência, e procedimentos de supervisão sugeridos, para cada um dos intervenientes. | |
|In|Tema |
|te| |
|rv| |
|en| |
|ie| |
|nt| |
|e | |

|In|Tema |
|te| |
|rv| |
|en| |
|ie| |
|nt| |
|e | |

|Intervenientes |Tema |

| | | |
| | Página inicial | |

[pic][pic][pic][pic]

Similar Documents

Premium Essay

Metatrader Manual

...you don’t yet have an account with us, click the link below to open an obligation-free trading account and gain free access to our expert Vantage FX MetaTrader 4 platform – you won’t be disappointed. 3 |MT4 Manual www.vantagefx.com Vantage FX MetaTrader 4 platform – Introduction About the platform MetaTrader 4 (MT4) platform is the Forex industry’s most popular trading platform (over 300 hundred brokers currently use this platform). Its popularity among brokers and their clients, is due to the high level of customisation available, which many other platforms fail to provide. Whilst being a convenient and adjustable tool for the active trader, its user friendly approach also caters for first time traders who may not be entirely sure of all their immediate needs. MetaTrader 4 is a powerful and flexible way to manage Forex trades and strategies. The MetaTrader 4 platform provides a wide array of market analysis tools (such as Expert Advisors) that can be used to gain insight into the patterns of the global foreign exchange markets, without the requirement of constantly scanning the market manually. Coupled with Vantage FX’s tight spreads on currency pairs, forex traders are able to develop and implement strategies with minimal ongoing effort. 4 |MT4 Manual www.vantagefx.com Features at a glance MetaTrader 4 comes packed with features to ensure the satisfaction of all types of FX Traders. Some of the features are displayed below, to provide a macro......

Words: 3884 - Pages: 16

Free Essay

Manual

...Introduction Welcome student! Congratulations on making the choice to pursue higher education through online learning with the University of Phoenix®. Online learning is a convenient and accessible way for adult learners to earn a degree. The University of Phoenix’s Online Discussion Forum will be your virtual classroom for the duration of your scholastic journey, and this manual is your online tour guide to help navigate that classroom. In this manual you will find instructions for accessing your classroom, getting to know the forums and how they work, and personalizing your settings. Good luck and enjoy your journey! Technical Requirements The University of Phoenix online program supports IBM® Personal Computer (PC) systems and Apple Mac® configurations. The following chart is a list of minimum requirements for each system (University Of Phoenix, 2013). Requirement PC MAC Operating System Windows XP® or later Mac OS X® 10.4 or later Software Microsoft Office® 2007 or later * Microsoft Office® 2008 or later * Internet Browser Internet Explorer® 8 or later** Apple Safari® 5.0 or later** *Microsoft Office Suite must include Microsoft Access. Microsoft Office Professional Academic 2010 (PC) or 2011 (MAC) is recommended. **Other Internet browsers that are supported include Mozilla Firefox® 3.5 or later and Google Chrome™ 7.0 or later System requirements: • 2 GHz processor or faster • 1GB RAM or greater • 80 GB hard drive or larger • 1024x768 resolution......

Words: 3295 - Pages: 14

Free Essay

Manual

...End User License Agreement of Native Instruments GmbH – August 2013 I. GENERAL The following End User License Agreement ("EULA") represents the contractual conditions between you ("Licensee") and Native Instruments GmbH, Schlesische Str. 29-30, 10997 Berlin, Germany ("Native Instruments") for the use of software including related media, documentation (for example program descriptions, manuals) and other documents and materials manufactured by Native Instruments ("Product(s)"). By installing and by registering the software on your computer, you declare yourself in agreement with these conditions. If you do not agree with these conditions, you must not install the software. In this event, please return the complete Product (including all written matter, packaging and similar material) to the dealer from whom it was originally bought within 14 (fourteen) days after the day of purchase. For purchases from the Native Instruments Online Shop, please return the complete Product (including all written matter, packaging and similar material) either to NATIVE INSTRUMENTS GmbH, Schlesische Str. 29-30, 10997 Berlin, Germany, or to Native Instruments North America, Inc., 6725 Sunset Blvd., 5th Floor, Los Angeles, CA 90028, USA, or to Native Instruments Japan K.K., YO Bldg 3F, Jingumae 6-7-15, Shibuya-ku, Tokyo, 150-0001, Japan. The price you paid will be refunded in full. II. Registration / Activation 1. It is required that you register the Licensed Software in order to...

Words: 1842 - Pages: 8

Free Essay

Manual de Perueduca

...COORDINACIÓN ÁREA DE DESARROLLO DE COMPETENCIAS EN TIC María Antonieta Mendoza Flores EQUIPO DE TRABAJO Héctor Gerardo Barrientos Pérez Serge William Evangelista Ricci Alberto Ramiro Gonzalez Benavides Yenny Mendoza Alejo Lena Elke Morales Farías Hugo Paúl Paredes Ferrer Fredy Taipe Martinez Lida Vásquez Pajuelo 1 APROVECHAMIENTO PEDAGÓGICO DEL SISTEMA DIGITAL PARA EL APRENDIZAJE PERUEDUCA Es una plataforma de contenidos y aplicativos pedagógicos que está al servicio de la comunidad educativa del país donde los alumnos desarrollan habilidades de comunicación, investigación indagación, colaboración y aprenden a utilizar su potencial de innovador. PÁGINA PRINCIPAL DE PERÚEDUCA: Estimado maestro, para ingresar al sistema digital PERÚEDUCA, escriba la siguiente dirección electrónica http://www.perueduca.pe/ en el navegador de su pc. 1° Ingrese a PERÚEDUCA escribiendo su dirección de correo y su mail y haciendo clic en Entrar. PERÚEDUCA - SISTEMA DIGITAL PARA EL APRENDIZAJE 2013 2 DESCRIPCIÓN DE LA PANTALLA PRINCIPAL 1. Video de presentación. Se visualiza un video en la pantalla principal del sistema digital para observar la información que contiene la presentación, haga el botón . clic en Clic Aquí 2. PerúEduca web Destinado a atender a la población en general que tiene acceso a Internet, permite acceder a las herramientas, los servicios y los recursos educativos de acuerdo con sus propios gustos y necesidades de información. Todo esto a través......

Words: 1207 - Pages: 5

Free Essay

Manual

...Design-Specification Manual: A How-to on Aspen Plus If this screen appears, enter in a title for the simulation and click on the Next button. If it doesn’t you can find it by clicking on Setup, which is found on the left hand side of the input screen. However, completing the Setup form isn’t manditory. Once finished inputting a title, Click Next. In the Component Name box enter the two components for this problem: isobutane and isobutylene (isobutene). Note that the data bank doesn’t recognize the name isobutene, hence isobutylene is entered because it is the same compound and it is in the data bank. Enter these names in the component name column. The names in the component ID column are aliases. Click Next. At this screen, enter in NRTL for the "base method” as we have done before in other simulations. This screen is under the Specifications sub-directory of the Properties section. Click Next. Aspen will now ask you for the FEED stream information. (Note how the title bar indicates which input form you are in.) Enter a temperature and a pressure of your choice. Next, enter the known flow rate of isobutane in the Total Flow box (make sure that you are using the right units). Also, Aspen Plus requires some composition info for the feed stream. For this example, in the Composition box, select the Mole-Frac and input 1 in the Value box for isobutane. Click on the Next button. The next screen will be the......

Words: 1021 - Pages: 5

Premium Essay

Solution Manual

...Database Modeling and Design – 4th Edition (2006) Toby Teorey, Sam Lightstone, Tom Nadeau Exercises with Solutions – Solutions Manual ER and UML Conceptual Data Modeling Problem 2-1 Draw a detailed ER diagram for an car rental agency database (e.g. Hertz), keeping track of current rental location of each car, its current condition and history of repairs, and customer information for a local office, expected return date, return location, car status (ready, being-repaired, currently-rented, being-cleaned). Select attributes from your intuition about the situation, and list them separately from the diagram, but associated with a particular entity or relationship in the ER model. Solution to 2-1 Problem 2-2 Given the following assertions for a relational database that represents the current term enrollment at a large university, draw an ER diagram for this schema that takes into account all the assertions given. There are 2000 instructors, 4000 courses, and 30,000 students. Use as many ER constructs as you can to represent the true semantics of the problem. Assertions: An instructor may teach one or more courses in a given term (average is 2.0 courses). An instructor must direct the research of at least one student (average = 2.5 students). A course may have none, one, or two prerequisites (average = 1.5 prerequisites). A course may exist even if no students are currently enrolled. All courses are taught by exactly one......

Words: 3109 - Pages: 13

Free Essay

Manual de Cooperativas de Servicios Peru

...Manual para la Gestión Empresarial de las Cooperativas de Servicios 1 Ministerio de la Producción Schweizerische Eidgenossenschaft Confédération suisse Confédérazione Svizzera Confédéraziun svizra Agencia Suiza para el desarrollo y la cooperación COSUDE MANUAL PARA LA GESTIÓN EMPRESARIAL DE LAS COOPERATIVAS DE SERVICIOS 2 Ministerio de la Producción Schweizerische Eidgenossenschaft Confédération suisse Confédérazione Svizzera Confédéraziun svizra Agencia Suiza para el desarrollo y la cooperación COSUDE Manual para la Gestión Empresarial de las Cooperativas de Servicios Hecho el Depósito Legal en la Biblioteca Nacional del Perú Nº Manual para la Gestión Empresarial de la Cooperativas de Servicios. PRODUCE, 2009 Ministerio de la Producción Viceministerio de MYPE e Industria Dirección General de MYPE y Cooperativas Dirección de Cooperativas Calle 1 Oeste Nº 60, Urb. Corpac - San Isidro Telfs: 0051-6162232 http//www.produce.gob.pe dcoo@produce.gob.pe 1ra. Edición, Noviembre 2009 Tiraje: 1000 ejemplares Impreso por: JB GRAFIC E.I.R.L. Jr. Las Anémonas 772 - Lima 36 Telf.: 375-2592 e-mail: jb_graficeirl@peru.com DISTRIBUCIÓN GRATUITA 3 Ministerio de la Producción Schweizerische Eidgenossenschaft Confédération suisse Confédérazione Svizzera Confédéraziun svizra Agencia Suiza para el desarrollo y la cooperación COSUDE Dr. Alan García Pérez Presidente Constitucional de la República Sra. Mercedes Aráoz Fernández Ministra de la Producción Sr....

Words: 12422 - Pages: 50

Free Essay

Manual de Microbiologia

...Manual de Microbiologia Clínica para o Controle de Infecção em Serviços de Saúde Edição Comemorativa para o IX Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar Salvador, 30 de agosto a 3 de setembro de 2004 - Versão Preliminar - Editora Agência Nacional de Vigilância Sanitária SEPN 515, Edifício Omega. Bloco B, Brasília (DF), CEP 70770-502 Internet: www.anvisa.gov.br Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços e Saúde Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos É permitida a reprodução total desta obra, desde que citada a fonte. 1. ed. 2004. Tiragem: 200 exemplares em CD Edição nova com modificações no conteúdo e no título, tendo como base o Manual de Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica publicado em 2000. 1. Infecção Hospitalar – Controle. 2. Infecção em Serviços de Saúde. 3. Microbiologia Clínica. 4. Vigilância Sanitária em Serviços de Saúde. 5. Resistência microbiana. I. Brasil. ANVISA Ministério da Saúde. Coordenação do Projeto Adelia Aparecida Marçal dos Santos – Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos / ANVISA / MS Autor Carlos Emílio Levy - Laboratório de Microbiologia - Centro Infantil Boldrini / Campinas SP Colaboradores Angela von Nowakonski - Serviço de Microbiologia Clínica do Hospital das Clinicas - UNICAMP / Campinas SP Caio Marcio Figueiredo Mendes - Universidade de São Paulo, Laboratório Fleury / São Paulo SP Carlos Emílio Levy -......

Words: 1920 - Pages: 8

Premium Essay

Quality Manual

...Kaganov The Perfect Manual A Guide to Lean Management Systems ISO 9001:2008 ISO 13485:2003 ISO 14001:2004 BS OHSAS 18001:2007 and other standards Seventh edition QW Enterprises, LLP, a fictional company referenced in this book, does not have any association with any other company that may carry the same name. © 2009 Quality Works All rights reserved. No part of this book may be reproduced in any form or by any means without permission in writing from the publisher, except as defined in the License Agreement. The Perfect Manual 07 Published by Quality Works www.quality-works.com The Perfect Manual 1 Chapter 1 Foreword Chapter 1 – Foreword Page 1 of 90 The Perfect Manual 1.1 Table of Contents 1  Chapter 1 Foreword .................................... 1  Table of Contents ............................................................ 2  Introduction ...................................................................... 4  About the Author ............................................................. 6  ISO – Brief Overview ....................................................... 8  The History of Quality .................................................... 10  Why We Need ISO 9001 ............................................... 13  How to Work With This Electronic Book ........................ 15  2  Chapter 2 Quality Manual 101 ................... 18  2.1  What is a Quality Manual? ............................................. 19  2.2  Quality Manual – Two......

Words: 13933 - Pages: 56

Free Essay

E Manual

...E5755 Eee PC User Manual Windows® 7 Edition Eee PC 1001P/1005P/R101/ R105 Series 15G06Q256000 Table of Contents Table of Contents....................................................................................................................... ii About This User’s Manual.......................................................................................................iv Notes for This Manual..............................................................................................................iv Safety Precautions.....................................................................................................................v Transportation Precautions....................................................................................vi Charging Your Batteries..........................................................................................vii Airplane Precautions................................................................................................vii Chapter 1: Knowing the Parts Top Side.....................................................................................................................................1-2 Bottom Side..............................................................................................................................1-5 Front......

Words: 7992 - Pages: 32

Free Essay

Manual Para El Tratamiento Cognitivo Conductual de Los Transtornos Psicologicos Volumen 1

...Vicente E. Caballo (dir.) Manual para el tratamiento cognitivo-conductual de los trastornos psicológicos Vol. 1 Trastornos por ansiedad, sexuales, afectivos y psicóticos Manuales/Psicología TODOS los capítulos que componen el presente manual son originales y han sido escritos (en inglés o español) expresamente para el mismo. Los siguientes capítulos han sido traducidos y adaptados del inglés por V. E. Caballo: Caps, núms.: 1, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 13, 14, 15,16, 17,18, 19, 21, 22 y 23. MANUAL PARA EL TRATAMIENTO COGNITIVO-CONDUCTUAL DE LOS TRASTORNOS PSICOLÓGICOS Vol. 1: Trastornos por ansiedad sexuales, afectivos y psicóticos por vicente e. caballo (dir.) SIGLO SIGLO España México Argentina Esta copia electrónica fue hecha a partir de una fotocopia del texto original. La baja calidad de la copia generó una gran cantidad de errores OCR que en su mayoría fueron corregidos. El conocimiento es un derecho universal. Si te es posible, apoya a los autores. Este es un buen libro; si está disponible en tu país, cómpralo. Primera edición, enero de 1997 Segunda edición, abril de 2002 Primera reimpresión, octubre de 2007 © Siglo XXI de España Editores, S. A. Menéndez Pidal, 3 bis. 28036 Madrid www.sigloxxieditores.com © Vicente E. Caballo derechos reservados conforme a la ley Impreso y hecho en España Printed and made in Spain Diseño de la cubierta: Pedro Arjona ISBN: 978-84-323-0944-1 (obra completa) ISBN:......

Words: 337453 - Pages: 1350

Premium Essay

Manual

...Microsoft User Manual Critique John Doe ENG/221 June 14, 2010 Instructor Name Microsoft User Manual Critique The focus of this paper will be to evaluate the Microsoft Word 2007 manual based on the criteria defined in Comparative User-focused Evaluation of User Guides: A case study (2007). The Microsoft Word 2007 manual is evaluated based on the following criteria: (a) attractiveness, (b) practicality, (c) simplicity, and (d) efficiency. Each of the four criteria are assigned a point value of between zero through five, zero meaning none of the criteria was not meet and five meaning the criteria was completely meet. Attractiveness A user manual should be attractive to entice the user to use it (Ganier, 2007). Attractiveness is subjective, a matter of personal esthetics, it is difficult to quantify attractiveness as it is defined differently by individuals. For the purposes of evaluating the attractiveness of the Microsoft Word 2007 manual three criteria as defined in Design 101(2007) are used: * Proximity: is related information groped together * Contrast: do the text and headings contrast with one another * Repetition: are design elements repeated throughout the manual Proximity To evaluate if related information is properly grouped in the Microsoft Word 2007 manual four main topics: (a) Activating Word, (b) Headers and footers, (c) Creating specific documents, and (d) Page numbers were selected at random from the table of contents. The main topics were......

Words: 307 - Pages: 2

Free Essay

Notebook Manual

...Notebook PC User Manual April 2011 E6591 Notebook PC User Manual Table of Contents Chapter 1: Introducing the Notebook PC About This User’s Manual.................................................................................6 Notes for This Manual........................................................................................6 Safety Precautions..............................................................................................7 Preparing your Notebook PC........................................................................11 Chapter 2: Knowing the parts Top Side (on selected models).....................................................................14 Bottom Side (on selected models)..............................................................18 Right Side (on selected models)..................................................................21 Left Side .............................................................................................................24 Rear Side (on selected models)..................................................................26 Front Side (on selected models)...............................................................27 Chapter 3: Getting Started Power System.....................................................................................................30 Using AC Power................................................................................................30 Using Battery Power........

Words: 16260 - Pages: 66

Free Essay

Manual de Portugues

...REVISÃO PORTUGUÊS I REVISAO DE PORTUGUÊS I Índice |Mapa Político do Brasil………………………………………………………………………….. |03 | |Revisão Português I .......................................................................................................... |04 | |Pretérito Perfeito: revisão ................................................................................................. |06 | |Música: Mulheres .............................................................................................................. |08 | |Português II |09 | |....................................................................................................................... | | |Gramática: Verbos Irregulares (1) FAZER, DIZER, VER, DAR, QUERER, SABER ........ |09 | |Leitura: Angélica ............................................................................................................... |12 | |Vocabulário (1) Animais .................................................................................................... |15 | |Região Norte ...........................................

Words: 11234 - Pages: 45

Free Essay

Manual

...University of Phoenix Library Manual University of Phoenix ENG/221 Joseph J. Trimarche September 27, 2010 Table of Contents UNIVERSITY LIBRARY……………………………………………………………3-6 CENTER FOR WRITING EXCELLENCE…...……………………………………...7-11 E-BOOKS…...……………………………………......................................................12-15 The University Of Phoenix uses what is called a virtual library. This provides an easy way for students to have access to a vast amout of articles and research without leaving their home. [pic] • The Library Tab is located in the center of tabs located on the top of the home page. • Clicking the Library Tab will display four sub-tabs to choose from: University Library, eBooks, Center for Writing Excellence, Center for Mathematics Excellence • After clicking the University Library you should see the page displayed below. • NOTE – The useful links located on the edges of the page. [pic] • The University uses an EbscoHost, which uses databases to find information. Everything from general to specialized references can be found with in the databases. • When searching all the databases use the keywords box for your search. • Only use three to four words for your search. • IMORTANT- Do not write full sentences in the search box. [pic] • If the......

Words: 1008 - Pages: 5